INICIE CLICANDO NO NOSSO MENU PRINCIPAL



__________________________________________________________________

sexta-feira, 29 de março de 2013

INTERPRETAÇÃO BÍBLIACA - A Páscoa dos Judeus e a Nossa



Veja essa passagem:

"E falou o SENHOR a Moisés e a Arão na terra do Egito, dizendo:

Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano.
Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês tome cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um cordeiro para cada família.
[...]
E o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde.
E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem.
E naquela noite comerão a carne assada no fogo, com pães ázimos; com ervas amargosas a comerão.
[...]
Assim pois o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a páscoa do SENHOR.
E eu passarei pela terra do Egito esta noite, e ferirei todo o primogênito na terra do Egito, desde os homens até aos animais; e em todos os deuses do Egito farei juízos. Eu sou o SENHOR.
E aquele sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo eu sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga de mortandade, quando eu ferir a terra do Egito." 
Êxodo 12:1-13


  Esse é o texto onde o Senhor determina a celebração da Páscoa para os judeus, a ser comemorada em memorial para relembrar a saída do Egito. Mas a páscoa não é somente uma comemoração pela saída e sim uma celebração pela passagem do Senhor na terra do Egito. A palavra Páscoa (pesah) significa “saltar sobre” “passar por cima”, significando a passagem que o Senhor fez por sobre a terra do Egito, por cima das casas dos Judeus e tomando um primogênito de cada casa que não tivesse a marca do sangue do cordeiro nas ombreiras da porta e devido a essa passagem veio a libertação. De forma semelhante Jesus ceou a Páscoa, se entregou a morte esteve sepultado durante todo dia de comemoração dos Judeus e ressuscitou no domingo pela manhã Jo 20.1.
Das inúmeras considerações profundas sobre essa passagem, podemos fazer as seguintes:

1. Assim como a Páscoa dos judeus relembra a passagem do Senhor na terra do Egito para libertação do povo de Deus, a Páscoa dos cristãos relembra a passagem do Senhor Jesus pela Terra para a libertação do povo de Deus.

2. O Senhor tomou os primogênitos de cada família daqueles que não eram do seu povo, mostrando o aspecto rigoroso de Sua Lei, pois quem não tomasse o cordeiro pra ceia e posto seu sangue como sinal nas ombreiras da porta teria que pagar com seu primogênito. A disciplina da Lei é pelo rigor da sua punição.

3. O Senhor no Novo Testamento deu seu unigênito para livramento das famílias que não eram do Seu povo, mas agora tem a oportunidade de cear a sua Páscoa. Mostrando o aspecto misericordioso da graça, pois a disciplina da graça está em mostrar a benevolência de Deus para conosco Jo 3.16.

4. Atualmente é o sangue de Jesus que espiritualmente está posto nas ombreiras das portas daqueles que ceiam o Cordeiro Pascal. Convém lembrar que no Egito não foi a ceia que salvou as famílias dos judeus de terem um filho morto, mas foi o sinal do sangue. Assim o que salva não é cear a páscoa, senão todos que se dizem cristãos estariam salvos, mas o que salva é ter o sinal do sangue, espiritualmente posto nas casas.

5. O fato de os judeus terem participado em trajes de sair Ex 12.11, significa enquanto estamos aqui vivenciando e comemorando a Páscoa do Senhor devemos estar prontos para sair, para deixar essa terra, juntamente com os nossos.

6. É bom lembrar que o anjo passaria por cima de todas as casas, de sorte que até mesmo os judeus, se não tivessem a marca do sangue, teriam um primogênito morto em casa. Isso para sabermos que não adianta ter carteirinha de membro de igreja, nem participar de todos os cultos e rituais, mas sim ter a marca espiritual do Sangue de Jesus sobre a nossa casa. Não adianta ter a marca só na igreja, pois a marca é na casa, na família.


7. A páscoa dos judeus é uma festa fixa, aos 14 dias do mês de abibe, mas a dos cristão é uma festa móvel, sempre no domingo após a paixão e morte de Jesus, simbolizando nossa saída do mundo e libertação do pecado. Mostrando o caráter de mobilidade do evangelho até os confins da terra.

CONCLUSÃO
No dia de sua última Páscoa na terra, o Senhor Jesus prometeu que não tomará mais do fruto da vide Lc 22.18, até que daqueles doze que estavam assentados à mesa, estejam reunidos milhões de milhares nas bodas do Cordeiro no céu, devemos estar prontos pra sair.

Marcos André - Professor

5 comentários:

  1. Acredito que o título correto deste texto seria: A páscoa judaico-cristã e a páscoa romana.

    http://www.shemah-israel.com/2009/04/festa-de-pessach-pascoa.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero então que o nome escolhido não esteja errado!

      Excluir
    2. Acredito biblicamente que só exista uma páscoa, a que o Altíssimo Deus de Yisra'el ordenou, a mesma que Seu Filho, nosso Salvador cumpriu, a que a grande maioria das igrejas evangélicas cumprem no primeiro domingo de cada mês.

      Agora, esta outra páscoa, que até uma grande parte das congregações evangélicas cumprem não é uma páscoa judaico-cristã e sim romana. Apenas um detalhe, consequência do outro pé que ainda não foi tirado de Roma.

      Excluir
    3. Boa resposta amigo, levanta uma interessante questão, que a palhaçada do coelhinho que põe ovos não pode suportar.

      Excluir
    4. Se fossem cordeirinhos que davam lã teria até lógica, não é verdade? rsrsrs

      Excluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.