sexta-feira, 14 de junho de 2013

INTERPRETAÇÃO BÍBLICA - Pecado Contra o Espírito Santo Marcos 3.28-30


Considere a passagem a seguir:

28 Na verdade vos digo que todos os pecados serão perdoados aos filhos dos homens, e toda a sorte de blasfêmias, com que blasfemarem;
29 Qualquer, porém, que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca obterá perdão, mas será réu do eterno juízo
30 (Porque diziam: Tem espírito imundo).

Marcos 3.28-30

  Esse texto narra a condenação, sem direito a perdão, para aquele que blasfema contra o Espírito Santo. Analisando a passagem de forma simples entendemos o que é afirmado no verso 30, que diz com todas as letras “nunca haverá perdão”, ou seja, nem se houver arrependimento. Porém devido a seguinte dúvida que surge na cabeça de muitos crentes: “O que é pecar contra o Espírito Santo?” ou “Será que eu já pequei contra o Espírito Santo?” Então é necessário analisarmos o que significa pecar contra o Espírito de Deus. 

  Qualquer pecado contra Deus seria pecado contra o Espírito, mas o pecado que se refere aqui é o do verso 31 “Porque diziam: Tem espírito imundo”, mas ainda não é essa especificação que precisamos entender, é preciso verificar a forma e a pessoa dos que cometeram esse pecado. Vimos que foram os fariseus que afirmaram que os demônios eram expulsos pelo poder do próprio demônio em Marcos 3.22

  Na verdade muitos crentes incautos afirmam coisas parecidas, porém o fazem na ignorância, dessa forma poderão ser perdoados de acordo com os textos de Atos 17.30, desde que se arrependam de coração, mas os fariseus não cometeram esse erro na ignorância eles tinham a consciência de que Jesus era vindo da parte de Deus, porém eles não sabiam que Ele era o Cristo, achavam que Ele era somente um profeta da parte de Deus, como afirmou Nicodemos em João 3.2, Nicodemos nessa passagem expressa o conhecimento que os fariseus tinham de Cristo. 
 
  Eles jamais teriam rejeitado Jesus se soubessem que Ele era o Filho de Deus, O que levou eles a rejeitarem-no foi a presunção de acharem que eles também tinham os mesmos direitos de profeta. Por isso se acharam no direito de disputar com Ele.

  Uma outra possibilidade seria de que os fariseus não soubessem se Jesus de fato era o filho de Deus. Nesse caso, mesmo que eles não soubessem, eles tinham as condições de dirimir suas dúvidas, e até procurar a Jesus como fez Nicodemos. 

CONCLUSÃO

  A afirmação dos escribas e fariseus em Marcos 3.22 de que Jesus expulsava pelo poder de Satanás se constitui no pecado contra o Espírito Santo, por atribuir a Satanás a obra do Espírito Santo de Deus, isso de forma consciente, sabendo que Jesus é vindo da parte de Deus. Ainda que achassem que Ele não era o Filho de Deus, sabiam que o poder que estava sendo manifestado ali era do Espírito de Deus.
  Fica aqui um alerta para aqueles que gostam de fazer chacota com os dons espirituais, imitando por brincadeira e escarnecimento ou para denegrir a imagem do movimento pentecostal. É bom ter muita cautela com essas atitudes.

Marcos André - Professor

Um comentário:

  1. Primeiramente quero parabeniza-lo pelo blog. O tema é emblemático. A título de ilustração, existem estudiosos que entendem, outrossim, que blasfemar contra o espirito santo fazem aqueles que procuram o caminho do suicídio, já que o nosso corpo é sua morada, seu templo. Graça e Paz.

    ResponderExcluir

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.