ESTUDOS TEOLÓGICOS, INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA, ESBOÇO PARA AULAS DA ESCOLA DOMINICAL, ETC

____________________________________________________________________________________

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

ESCOLA DOMINICAL - Esboço e Subsídio da Lição 7 - Revista da Central Gospel


AULA EM___DE______DE 2014 - LIÇÃO 7
(Revista: Central Gospel - nº 37)

Tema: O TRÍPLICE OFÍCIO DE JESUS
  
Texto Áureo: Isaías 40.9
 _________________________________________
 PALAVRA INTRODUTÓRIA
- Professor(a), nesta lição mantenha o foco nos efeitos dos ofícios de Jesus em nós, em como fomos atingidos pelos seus ofícios.
- “Reforma Protestante”, também chamada de Reforma Religiosa, é aquela iniciada com Martinho Lutero em que ele afixou suas 95 teses na porta da igreja em Wittenberg na Alemanha no ano de 1517.
- “categorizar”, classificar em categorias, aqui se refere a três categorias: profeta, sacerdote e rei.
- Convém equiparar o ofício de rei ao de juiz, pois o juiz no tempo de Samuel era como um rei.
_______________________________________________
1. CRISTO O PROFETA
- “etimologia”, estudo da origem e construção das palavras.
- “léxico hebraico de Gesenius”, gramática de hebraico bíblico escrita pelo hebraísta alemão Willian Gesenius. É a melhor que existe.
- “emitir palavras abundantemente”, na gramática de Gesenius apresenta esse significado para o termo profetizar. Como o significado que nos interessa é o do hebraico, então esse apresentado aqui está mais do que correto.

1.1. A profecia fez-se carne
- “plenitude da Palavra”, é o significado total da Palavra dada ao profeta, quer dizer que humanamente o profeta não entendia completamente o que estava falando, pois muitos profetas falaram de coisas que até hoje no motivam, como a passagem de Jeremias na casa do oleiro Jr 18 e de Ezequiel no vale de ossos secos.
- “se Deus, pessoalmente os revelar”, muitas profecias ficaram ocultas e outras ainda estão, muitas firam reveladas e Cristo, veja:
“Repartem entre si as minhas vestes, e lançam sortes sobre a minha roupa.” Salmos 22:18 O Salmista, na qualidade de profeta jamais poderia imaginar a profundidade dessa revelação, mas foi dada aos evangelistas o entendimento de seu cumprimento Mt 27.35

1.2. O logos de Deus
- “logos”, palavra grega que significa “palavra”, foi traduzido por João Ferreira de Almeida como “verbo”, pois para o tradutor ela parecia significar a ação de Deus, mas o correto é referenciá-lo como a “Palavra”. Na King James foi mantido a tradução mais fiel: In the beginning was the Word” João 1:1 tradução: “No princípio era a Palavra”
- “ponto central da revelação”, quer dizer que Jesus é o princípio, pois tudo começa com a Palavra de Deus: “Haja...” Gn 1.3 Foi isso que João quis dizer.

1.2.1. A compreensão judaica
- “autor de Hebreus”, essa carta foi escrita aos hebreus (judeus), por isso ela inicia apresentando Jesus como o Filho de Deus, pois esse era o foco da pregação para os judeus daquela época. Professor(a) leia o com os alunos esses dois versos de Hebreus e mostre que Jesus é colocado como substituto dos profetas do Antigo Testamento para trazer a revelação de Deus aos homens.

1.2.2. A compreensão grega
- “para os gregos”, se refere aos cristãos gregos e não ao povo grego de forma geral.
- “e não na religião”, os cristãos gregos viam a Bíblia como um livro de grande sabedoria, por isso as pregações para os gregos eram mais carregadas de entendimento racional. Por isso era Paulo quem pregava, ele tinha o dever de lutar contra o racionalismo filosófico dos gregos.

1.3. O Grande Profeta
- “como o profeta que deveria ser esperado”, - Lembre que havia uma profecia de Moisés sobre o profeta que viria semelhante a ele, que falava com Deus face-a-face e que liberta o povo Dt 18.15. (é importante ler essa referência)

2. CRISTO, O SACERDOTE
- “sacerdócio”, era o ministério dado a família de Arão para o serviço no Tabernáculo e continuou depois no templo, com diversas responsabilidades.
- “detalhadamente no livro de Hebreus”, como esse livro foi escrito para os judeus (hebreus) ele trata de um assunto que os judeus entendiam muito bem e apresenta a Jesus como o nosso Sumo Sacerdote.   
- “atuava como um mediador”, o sacerdote levava conduzia o povo a Deus, por meio da intercessão pelo perdão nos rituais dos sacrifícios.

2.1. O Mediador de Deus
- “oferecer-se como sacrifício”, nesse ponto Cristo é apresentado como o posto mais alto do sacerdócio, o sumo sacerdote.
- Para o autor aos Hebreus o Senhor Jesus era representante de uma ordem sacerdotal bem anterior a Arão, a de Melquisedeque. Pois a ordem sacerdotal de Arão era hereditária, mas a de Melquisedeque era eterna. Hb 5.10

2.1.1. O parakletos
- Esse dispensa qualquer comentário
_______________________________________
3. CRISTO, O REI
- “é o seu reinado”, ofício pelo qual ele foi condenado, pois recebeu a sentença que lhe foi pregada na cruz “Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus”. João 19.19
- Lembre que esse ofício pode se equiparar ao de juiz, como no tempo de Samuel, inclusive Samuel reunia esses três ofícios.

3.1. No Antigo Testamento
- “como Rei e Senhor”, Nesse ponto temos em Davi a tipologia mais eloquente, pois como Davi foi ungido sem assumir o trono, também Jesus foi ungido, mas não assumiu de imediato, como Davi foi perseguido por inveja de Saul, o Senhor foi perseguido pela inveja dos sacerdotes. A Davi se ajuntou os desprezados e indignos do país, também a Cristo nos ajuntamos nós como desprezados desse mundo. Aqueles desprezados reinaram com Davi se tornando seus valentes, também nós reinaremos com Cristo, pois somos feitos Seus valentes e hoje lutamos Suas guerras. QUASE BERREI UM GLÓRIA AGORA, MAS ME CONTIVE E FALEI BAIXINHO.

3.2. No Novo Testamento
- ...

3.2.1. A aclamação do Reis de Israel
- “montado em um jumentinho”, Professor(a), aqui pode surgir a pergunta ou você pode perguntar, se havia essa passagem, por que os Judeus esperavam que o Messias fosse um grande general, ostentando um exército e com grande autoridade? A resposta é interessante: a teologia judaica estava nas mãos dos eruditos, e esses eruditos se deixaram levar por sua arrogância, pois interpretavam a Bíblia carregados de paradigmas e pré-concepções, levando a interpretação a dizer o que eles queriam ouvir. Dessa forma eles omitiam textos como esse de Zacarias e só apresentavam ministrações com textos que arrancavam suspiros de esperança e de aprovação e admiração do povo. AINDA HOJE ALGUNS ERUDITOS AGEM ASSIM

CONCLUSÃO
- “somos o sacerdócio santo”, assim como os sacerdotes eram responsáveis por interceder a Deus pelo povo, também nós temos essa responsabilidade hoje.
- “somos considerados reis”, o Novo Testamento nos leva a crer que reinaremos com Cristo no porvir, veja:
“Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.” Ap 3.21

“O campo é o mundo; e a boa semente são os filhos do reino; e o joio são os filhos do maligno;” Mateus 13:38
- É provável que reinaremos com Cristo no período do milênio.
- Faça o resumo, apresentando os pontos mais importantes aprendidos. 

Boa aula!


Marcos André – professor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Devido a comentários ofensivos, os comentários serão verificados pelo administrador do CLUBE DA TEOLOGIA e serão liberados posteriormente. Não serão permitidos comentários ofensivos a pessoa e as críticas não assinadas ou não fundamentadas.