INICIE CLICANDO NO NOSSO MENU PRINCIPAL



__________________________________________________________________

segunda-feira, 27 de março de 2017

ESCOLA DOMINICAL CPAD - Conteúdo da Lição 1 - Revista da CPAD - JOVENS

Resultado de imagem para revista cpad jovens 2º trimestre 2017

AS BEM-AVENTURANÇAS
02 de abril de 2017



Texto do dia.

"Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós." Mt 5.12


Síntese
As bem-aventuranças resumem perfeitamente o estilo de vida, bem como a visão de mundo, de todos os que, nascidos de novo, tornaram-se súditos do Reino e, por isso, veem as coisas sob a perspectiva de Cristo.

Texto bíblico

Mateus 5.1-12
1 Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
2 e, abrindo a boca, os ensinava, dizendo:
3 Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus;
4 bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;
5 bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
6 bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
7 bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;
8 bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus;
9 bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;
10 bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus;
11 bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem, e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa.
12 Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.

INTRODUÇÃO
É impossível a qualquer pessoa, com um mínimo de bom senso, não se surpreender com o texto conhecido como "As bem-aventuranças". São nove versículos que destacam condições, sentimentos e valores que o mundo de então, tal como o de hoje, rejeita. Isso porque na cultura "ensimesmada", ou "autocentrada", a simples demonstração do que significa viver sob a perspectiva de Jesus Cristo e do seu Reino, é algo inconcebível. Durante este trimestre teremos a oportunidade maravilhosa de estudar o "Sermão do Monte". Uma passagem muito conhecida do Evangelho de Mateus que precisa, urgentemente, ser estudada. A justificativa para essa necessidade é que o ímpeto da juventude a predispõe a estar sempre em busca de uma causa ou motivo pelo qual lutar. Tal disposição e interesse não possuem em si nada de ruim, pois como seres humanos precisamos de um sentido para viver. O problema é quando uma ideologia, por exemplo, torna-se a orientação fundamental da existência de uma pessoa. Por mais justa que seja a referida ideologia, ela será boa para alguns, mas nunca para todos. Já o Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo: "Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele" (Jo 3.17).

I - A FELICIDADE DOS HUMILDES, DOS AFLITOS E DOS CALMOS

1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
Antes de pronunciar a primeira bem-aventurança, observa o evangelista Mateus, que Jesus "vê" a multidão (v.1). O "ver" aqui não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro. Uma importante observação que aparece na versão bíblica Corrigida é que Ele, "abrindo a boca, os ensinava" (v.2). Não se trata de uma redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio (Jo 8.6,7; 13.3-17).
Em seu ensino, o Mestre destaca, em primeiro lugar, que é bem-aventurado ou feliz, os "pobres de espírito", isto é, os humildes, pois "deles é o Reino dos céus" (v.3). Os pobres de espírito são aqueles que, por reconhecerem sua dependência de Deus, não se apoiam em méritos próprios e muito menos em alguma coisa que possuam. Justamente por isso, eles são felizes, pois confiam integralmente em Deus e vivem para Ele. Deles então é o Reino dos céus, uma vez que vivem, já aqui, àquilo que muitos só experimentarão no futuro: A alegria da plena comunhão com o Senhor Deus (Jo 15.11).

2. A bem-aventurança dos que choram.
Há vários tipos de choro e também de motivações para chorar; contudo, o Mestre refere-se a quem chora de aflição. Tal aflição não é de ordem puramente material, mas uma angústia por ter de enfrentar as vicissitudes de um mundo caído sem, contudo, tornar-se perverso tanto quanto os maldosos (Mt 10.16). Longe de ser um sinal de fraqueza, o choro do aflito traz a oportunidade de consolo: Um consolo que, promete-nos a Palavra de Deus, será de um privilégio sem precedentes, pois o próprio "Deus limpará de seus olhos toda lágrima" (Ap 21.4).

3. A bem-aventurança dos mansos.
Em tempos de disputa e de fervilhamento de grupos que se levantavam entre os judeus para reconquistar a soberania política, afirmar que felizes são os mansos, ou não-violentos, é um desafio. Exaltar a calma, a mansidão e a serenidade em um contexto belicoso representava uma afronta e até mesmo uma espécie de conformismo com a situação perante grupos radicais, como os zelotes, por exemplo (At 5.36,37). O Mestre, porém, não se importa com tal pensamento e reverbera o Salmo 37.11: "Mas os mansos herdarão a terra e se deleitarão na abundância de paz". A tão sonhada promessa de "posse da terra" não é uma conquista do braço, ou da força humana, mas uma posição reverente e calma por parte dos que creem que do "Senhor é a terra e toda a sua plenitude", sabendo que "fiel é o que prometeu" e Ele a dará aos que nEle confiam (Sl 24.1; Hb 10.23).

Pense
Diante de uma realidade como a nossa, em que se valoriza a ostentação, o pedantismo e tantas outras posturas altivas, como ser humilde, prezar o choro e demonstrar a serenidade e a calma?

Ponto Importante
Enxergar o mundo, e também enxergar-se, pela perspectiva do Reino, requer uma transformação da mente e do coração, destronando o nosso "eu" e concedendo o controle e o governo de nossa vida ao Rei dos reis e Senhor dos senhores.

II - A FELICIDADE DOS FAMINTOS E SEDENTOS DE JUSTIÇA, DOS MISERICORDIOSOS E DOS PUROS

1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça.
Das necessidades básicas, fome e sede são duas das principais. A ingestão de alimento é algo obrigatório e dela depende a sobrevivência. Ao dizer que "os que têm fome e sede de justiça" serão fartos ou saciados, Jesus não destaca qualquer espécie de "justiçamento", ou seja, "punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte", e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). O Mestre refere-se a um perfil de pessoa cujo desejo, vontade e aspiração pela justiça, tornaram-se parte de sua natureza. Essas pessoas não se comportam assim por querer "fazer tipo". Não se trata disso. Elas sentem a dor do próximo e não somente as suas, e tal percepção as levam a sentir "fome e sede de justiça", não como regras impostas, mas como sentimentos conscientes que fazem parte de sua natureza (Jr 31.33). Apesar de a satisfação plena dessas necessidades se dar apenas no futuro, na completude do Reino de Deus, é exequível, e recomendável, que se busque, tanto quanto possível, sua prática aqui e agora.

2. A bem-aventurança dos misericordiosos.
O tema da misericórdia sucede o da justiça com um propósito muito claro: Para que ninguém pense que ter "fome e sede de justiça" é algo que se confunde com tornar-se "justiceiro". Assim, exercer ou ter misericórdia é uma atitude benevolente (Mt 18.21-35; Ef 2.1-10). Vivendo em meio à opressão do Império Romano, era "comum" que os judeus tivessem ressentimentos. Tais sentimentos algumas vezes, encontravam-se entre eles mesmos. Um exemplo que ilustra o ponto é a antipatia dos judeus por seus pares que se tornavam publicanos (Mt 9.9-13). Enfim, em uma sociedade que cultua o revide, Jesus ensinou justamente o contrário, dizendo que felizes são os misericordiosos, pois eles serão tratados por Deus com a mesma benevolência com que trataram as pessoas que lhes ofenderam (Mt 18.35).

3. A bem-aventurança dos puros.
A sexta bem-aventurança atinge o âmago do ser humano e é um tema caro ao judeu, tanto do mundo do Antigo Testamento quanto do Novo. Cria-se que o coração era a sede dos desejos humanos, por isso, ao contrário da religiosidade que valoriza meramente o exterior e a aparência, Jesus chama a atenção para o fato inegável de que os limpos, ou puros, de coração verão a Deus. É consenso entre os estudiosos que, neste trecho, o Mestre alude o Salmo 24,3,4. A pergunta do Salmo procura responder a um questionamento que ultrapassa o cumprimento do ritual exigido pela Lei para que o sacerdote pudesse oficiar o culto no Templo (Lv 16.1-14). Para estar no "lugar santo", ou na "casa santa", não bastava cumprir a pureza ritualística que poderia ser feita de forma mecânica e exterior; antes era necessário ter as mãos puras e um coração limpo, qualidades que apenas o Senhor verdadeiramente contempla e conhece. Os limpos de coração, ainda que não estivessem conforme os padrões da religiosidade oficial, veriam a Deus. Portanto, mesmo sendo esquecidos pelas pessoas, eles são felizes.

Pense
É possível ter "fome e sede de justiça" e não se tornar um justiceiro?

Ponto Importante
Devido aos perigos que cercam as grandes virtudes, o Senhor Jesus fala da importância e da felicidade dos que almejam a justiça, ao mesmo tempo em que destaca o valor da misericórdia e da pureza de coração.

III - A FELICIDADE DOS PACIFICADORES, DOS PERSEGUIDOS E DOS CALUNIADOS

1. A bem-aventurança dos pacificadores.
Em um contexto conflitante e de golpes de Estado, exaltar a paz e dizer que os que a promovem são felizes, visto que serão chamados "filhos de Deus", é um desafio. Sobretudo, quando se estuda a passagem e se descobre que "paz" aqui não é, na acepção comum, unicamente "ausência de guerra", isto é, algo passivo. Paz significa muito mais que isso no conceito bíblico, pois fala de algo concreto, ativo, prático e que deve ser promovido. Os pacificadores promovem a igualdade, a inteireza e a unidade (Is 52.7 cf. Pv 6.16-19). Essa atividade recebe essa linda promessa devido à importância da paz para toda a sociedade. Em um ambiente que vive cheio de intrigas e "pequenas guerras", um pacificador tem um papel importante: Restabelecer a ordem e o equilíbrio entre as pessoas, gerando outro tipo de lugar, transformando radicalmente o meio (Hb 12.14; Pv 26.20).

2. A bem-aventurança dos perseguidos.
Uma vez mais o Senhor Jesus surpreende ao sublimar uma situação que, em condições "normais", todos rejeitam. É importante perceber que o sofrimento se dá em decorrência de a pessoa buscar fazer a vontade de Deus que é nada mais nada menos que a justiça. Ansiar por justiça, como já dissemos, sem, contudo, tornar-se justiceiro, sendo antes misericordioso, limpo de coração e promotor da paz, não pode resultar em outra coisa. A perseguição vem quase que automaticamente, pois o perseguido oferece ao mundo a oportunidade deste experimentar a paz, sem usar as ferramentas dos que oprimem em nome dela (Jr 6.13, 14; 1 Ts 5.3). Ser perseguido por causa da justiça significa viver, ainda que parcialmente, a glória do Reino, pois em um mundo onde reina a justiça segundo Deus, sem dúvida alguma, mesmo com perseguição, é infinitamente melhor que o mundo da falsa paz. A estes, ou seja, aos perseguidos, o Senhor pronuncia-lhes o mesmo que pronunciou aos pobres de espírito: Deles é o Reino dos céus.

3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados.
O Mestre chega ao ápice das bem-aventuranças com uma exaltação paradoxal: Felizes são os discípulos quando forem injuriados, perseguidos e caluniados por causa dEle (vv.11,12). Jesus diz que tal sofrimento é um privilégio, pois gerará uma grande recompensa ao mesmo tempo em que fará com que os discípulos se equiparem, e não apenas se identifiquem, com os profetas do Antigo Testamento (Jr 37.1-38.28). Uma vez que todos tinham os profetas em alta conta, dizer que tal situação os colocava no mesmo patamar era também uma forma de afirmar sua autoridade divina, pois os profetas no Antigo Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos. Se os discípulos sofrem por causa de Jesus e isso os equipara aos profetas, logo quer dizer também que eles sofrem por Deus.

Pense
Em tempos de disputa, intriga e desconfiança, como ser um pacificador e promotor da igualdade?

Ponto Importante
O sofrimento que produz recompensa e gera equiparação, não pode ser motivado por erros e intransigências dos discípulos do Senhor. Tal ensinamento foi tão bem apreendido, que é reverberado pelo apóstolo Pedro (1 Pe 4.12-16).

CONCLUSÃO
O início do Sermão do Monte, resumido nas bem-aventuranças, evidencia a diferença da atividade magisterial de Jesus em relação aos escribas, bem como denota a grande disparidade do conteúdo da mensagem do Evangelho em comparação com a exigência de memorização e o cumprimento de regras provenientes da religiosidade.

Hora da revisão.

Qual a diferença entre a ideologia e o Evangelho em termos de benefício?
Por mais justa que seja a ideologia, ela é boa para alguns, mas nunca para todos. Já o Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo.

Explique o que Mateus quis dizer com os atos de Jesus ver a multidão e abrir a boca para ensinar.
O "ver" não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro. De igual maneira, o "abria a boca" não se trata de uma redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio (Jo 8.6,7; 13.3-17).
O que significa ter "fome e sede de justiça"?Não se trata de "justiçamento", ou seja, "punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte", e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). O Mestre refere-se a um desejo, vontade e aspiração pela justiça, que torna-se parte da natureza da pessoa, fazendo com que esta sinta a dor do próximo e não somente as suas, e tal percepção a leva a sentir "fome e sede de justiça", não como regras impostas, mas como sentimentos conscientes que fazem parte de sua natureza (Jr 31.33).

Há algum propósito especial para Jesus ter ensinado sobre misericórdia logo após ter falado de justiça? Explique.
Para que ninguém pense que ter "fome e sede de justiça" é algo que se confunde com tornar-se "justiceiro".

Equiparar o sofrimento dos discípulos ao que sucedeu aos profetas no Antigo Testamento acabou por revelar algo da natureza de Jesus. O que é?
Uma vez que todos tinham os profetas em alta conta, dizer que tal situação os colocava no mesmo patamar, era também uma forma de afirmar sua deidade, pois os profetas no Antigo Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos.

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.