INICIE CLICANDO NO NOSSO MENU PRINCIPAL



__________________________________________________________________

terça-feira, 21 de novembro de 2017

ESCOLA DOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 9


A fé que nos une a Deus e nos torna produtivos
26 de novembro de 2017


Texto Áureo
“Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé”. Rm 1.17

Verdade Aplicada
A fé é a virtude pela qual acreditamos em Deus e em tudo o que Ele disse e revelou, porque, sendo Ele a própria verdade, jamais falhará.

Textos de Referência.

Romanos 1.17; Hebreus 11.1-3, 6

Romanos 1.17
17 Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé.
Hebreus 11.1-3, 6
1 Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não veem.
2 Porque, por ela, os antigos alcançaram testemunho.
3 Pela fé, entendemos que os mundos, pela palavra de Deus, foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.
6 Ora, sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam.

Hinos sugeridos.
126, 331, 594

Introdução
A fé é imprescindível em nosso relacionamento com Deus (Hb 11.6). A vida cristã não se baseia no que vemos, mas no que cremos. É por esse motivo que a fé é tão importante para todos nós.

1. O firme fundamento.
A única forma de se viver uma vida que agrade a Deus é pela fé. A fé agradável observa duas coisas importantes: ela primeiro acredita que Deus existe, depois acredita que Deus recompensa os que dEle se aproximam (Hb 11.6).

1.1. Conceito bíblico de fé.
A palavra fé vem do latim “fides”, que significa: crer. Considerando a relevância desta doutrina bíblica, é importante conhecer os termos e sentidos da palavra “fé” na Bíblia, para não confundirmos com os vários conceitos populares, principalmente no Brasil, onde é comum a expressão: “fé não se discute”. Assim uma das principais ideias transmitidas dos diversos significados das palavras hebraica e grega é “certeza” ou “firmeza”. O termo hebraico “emunah” tem como significado básico “fidelidade”, traduzido por “fé” em Habacuque 2.4. Ao mencionar este texto, o apóstolo Paulo usou a palavra grega “pistis” (Rm 1.17; Gl 3.11), aprofundando o significado da mensagem transmitida por Habacuque e desenvolvendo a doutrina da justificação pela fé.

1.2. Alguns tipos de fé.
É importante estarmos atentos para não confundirmos a fé que salva e sustenta a vida cristã com outros tipos de fé (conforme os diversos sentidos utilizados se referindo ao termo estudado). Existe a “fé natural”: a pessoa semeia na terra crendo que vai colher; é possuída por todos em diferentes graus e situações do cotidiano. Existe a “fé exclusivamente intelectual” (crê na existência de Deus, acredita que Jesus Cristo é o Filho de Deus). Não é suficiente apenas conhecer pois os demônios também conhecem a Pessoa e as obras de Deus (Tg 2.19). Há pessoas que professam a “fé utilitária”, baseada somente nos desejos e interesses humanos (Jo 2.23-24; 12.42-43). É a fé que não conduz ao comprometimento e à renúncia. A pessoa crê, mas não está disposta a se arrepender e passar a viver de acordo com a vontade de Deus.

1.3. A fonte de fé.
Considerando sua grande importância na salvação e no sustento da vida de discípulo de Cristo, não podemos ignorar que a fonte da fé é o próprio Deus. Nem todos a têm, ou creem ou crerão (2Ts 3.2). É uma das dádivas de Deus que torna acessível ao ser humano a tão grande salvação (Ef 2.8). Notar as expressões: “pela graça criam” (At 18.27); e “...vos foi concedido...crer” (Fp 1.29). O texto sagrado esclarece que a fé é produzida pela Palavra de Deus (Rm 10.17). Para tanto, requer interesse e atenção por parte do ouvinte. Vide o exemplo de Raabe. Ela ouviu, creu e agiu (Js 2.9-12).

2. A fé que faz a diferença.
Encontramos na Palavra de Deus diversos exemplos do exercício da fé que faz a diferença. Trata-se da fé que tem fundamento e que move quem a possui. Afinal a vida cristã não é estática, mas dinâmica e repleta de desafios (Hb 11.32-39). Meditemos em algumas das características da fé que faz a diferença.

2.1. Baseada na revelação de Deus.
Não é movida e estimulada por desejos e caprichos pessoais, e nem alimentada e mantida por pensamentos positivos, frutos da mente humana. A fé que faz a diferença não aceita qualquer coisa, mas apoia -se na revelação de Deus ao homem (Rm 10.14-17). Note o exemplo de Abraão, que recebeu a promessa divina de que seria “pai de muitas nações”. Interessante as expressões referentes a este relato: “creu contra a esperança”, “corpo amortecido”, “amortecimento do ventre” (Rm 4.17.21). Todavia, mesmo diante de tantos fatores contrários, ele manteve a fé na promessa divina.

2.2. Move a obediência.
Indo na contramão da fé que muitos professam nos dias de hoje, apenas como instrumento para alcançar bênçãos, sem interesse em transformação pessoal e submissão ao senhorio de Cristo, a fé que faz a diferença move a pessoa a ser obediente e submissa aos propósitos de Deus, mesmo que num primeiro momento não compreenda plenamente. Porém, obedece por que crê! Não é uma fé manipulada pelo homem, mas o meio que conduz o homem a ser um instrumento de Deus.

2.3. Fé singular.
Uma das características da pós-modernidade é a pluralidade também do campo religioso e da espiritualidade, assinalada pelo surgimento e expansão de várias crenças. A fé cristã tem sido considerada como simplesmente mais uma opção para se chegar ao mesmo fim. No entanto, sob a perspectiva da verdade bíblica e salvífica, não há lugar para uma fé pluralista. Os estudiosos e pensadores das religiões acusam a fé cristã de considerar-se superior às demais crenças, taxando-a de arrogante e intolerante. Porém, a exclusividade da salvação de Jesus Cristo não é sinônimo de intolerância ou arrogância (Jo 4.7-9; Mt 15.21-28; 11.28-30). A fé que faz a diferença é singular, pois Jesus Cristo é o único mediador entre Deus e os homens (1Tm 2.5), é o único caminho de salvação para o homem chegar a Deus (Jo 14.6; At 4.12), e a Bíblia é a única regra de fé e conduta (2Tm 3.14-17).

3. Efeitos da fé que faz a diferença.
Esta fé não se limita a conhecimento, concordar, aprovar e declarar. Vai muito além. Não se trata de uma fé temporal, baseada em emoções e na busca da satisfação pessoal, pois logo sucumbiria às angustias, perseguições, aos cuidados deste mundo e às seduções das riquezas (Mt 13.20-22). Vejamos, então, alguns resultados da fé que faz a diferença.

3.1. Produz obras.
A fé que faz a diferença é produtiva. É uma fé que manifesta através das obras (Tg 2.14-26). Não há contradição entre fé e obras, pois são complementares. Como pode uma pessoa que diz ser motorista não saber dirigir? Outro se diz pedreiro, mas não consegue executar trabalhos em alvenaria? “...que aproveita se alguém disser que tem fé e não tiver obras?...” (Tg 2.14a).

3.2. Produz resistência.
A fé que faz a diferença produz no discípulo de Cristo consciência da necessidade de buscar constantemente fortalecimento no Senhor e revestimento da armadura de Deus para resistir e ficar firme Ef 6.10-16). Notemos que a ênfase na batalha espiritual é “resistir” (Ef 6.13; 1Pe 5.9; Tg 4.7). A fé, comparada a um escudo, é indispensável para apagar ou extinguir todos os dardos do diabo lançados contra nós.

3.3. Produz vitória.
O texto sagrado registra: “...pela fé, venceram...” (Hb 11.33). A fé que faz a diferença produz vitória, pois é uma fé cristocêntrica (1Jo5.4-5). Não significa que o discípulo de Jesus Cristo não passe por momentos difíceis e trabalhosos. Enquanto estivermos debaixo do sol, estaremos sujeitos a privações, dores, tentações diversas, oposição e outras adversidades. Mas significa que a fé em Cristo não atua apenas para salvação, mas, também, para sustento e provisão durante nosso viver neste mundo.

Conclusão.
A Palavra de Deus revelada é dirigida aos que creem. Sem fé é impossível entender o agir de Deus e agradá-Lo. Tomemos posse deste tão precioso dom divino: a fé. A fé que conduz a uma transformação pessoal, frutificação e perseverança na vida do discípulo de Cristo, para a glória de Deus.

Questionário.

1. Qual o significado básico do termo hebraico “emunah”?

2. Em que se baseia a “fé utilitária”?

3. Mesmo diante de tantos fatores contrários, o que Abraão manteve?

4. Qual é o único mediador entre Deus e os homens?

5. Cite um dos efeitos da fé que faz a diferença?

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.