segunda-feira, 27 de março de 2017

ESCOLA DOMINICAL - Conteúdos para a Revista da Escola Dominical Editora Betel - 2º Trimestre de 2017

Resultado de imagem para revista betel 2º trimestre 2017

Lição: 1 - 2º Trimestre - Editora Betel 
Data: 2 Abril 2017
Tema: O Chamado de Um Profeta
Acesso ao Conteúdo: Clique aqui!
Acesso ao Esboço: Clique aqui!
____________________________

COLABORE COM O CLUBE DA TEOLOGIA. CLIQUE NOS ANÚNCIOS
____________________________

CONTEÚDOS ANTIGOS:
_________________________

AVISO - Sequência dos Esboços da Lição 1 - 2º Trimestre

POSTAREMOS OS ESBOÇOS NESSA SEMANA NA SEGUINTE ORDEM:

LIÇÃO 1  CPAD CENTRAL GOSPEL - 3º BETEL

SOLICITAMOS QUE O AMADO USUÁRIO CLIQUE NESSA PROPAGANDA ABAIXO! É importante, pois o CLUBE DA TEOLOGIA não possui nenhuma outra forma de renda. Enquanto isso estamos trabalhando aqui nos esboços!

ESCOLA DOMINICAL CPAD - Conteúdo da Lição 1 - Revista da CPAD - JOVENS

Resultado de imagem para revista cpad jovens 2º trimestre 2017

AS BEM-AVENTURANÇAS
02 de abril de 2017



Texto do dia.

"Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós." Mt 5.12


Síntese
As bem-aventuranças resumem perfeitamente o estilo de vida, bem como a visão de mundo, de todos os que, nascidos de novo, tornaram-se súditos do Reino e, por isso, veem as coisas sob a perspectiva de Cristo.

Texto bíblico

Mateus 5.1-12
1 Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
2 e, abrindo a boca, os ensinava, dizendo:
3 Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus;
4 bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;
5 bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
6 bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
7 bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;
8 bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus;
9 bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;
10 bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus;
11 bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem, e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa.
12 Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.

INTRODUÇÃO
É impossível a qualquer pessoa, com um mínimo de bom senso, não se surpreender com o texto conhecido como "As bem-aventuranças". São nove versículos que destacam condições, sentimentos e valores que o mundo de então, tal como o de hoje, rejeita. Isso porque na cultura "ensimesmada", ou "autocentrada", a simples demonstração do que significa viver sob a perspectiva de Jesus Cristo e do seu Reino, é algo inconcebível. Durante este trimestre teremos a oportunidade maravilhosa de estudar o "Sermão do Monte". Uma passagem muito conhecida do Evangelho de Mateus que precisa, urgentemente, ser estudada. A justificativa para essa necessidade é que o ímpeto da juventude a predispõe a estar sempre em busca de uma causa ou motivo pelo qual lutar. Tal disposição e interesse não possuem em si nada de ruim, pois como seres humanos precisamos de um sentido para viver. O problema é quando uma ideologia, por exemplo, torna-se a orientação fundamental da existência de uma pessoa. Por mais justa que seja a referida ideologia, ela será boa para alguns, mas nunca para todos. Já o Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo: "Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele" (Jo 3.17).

I - A FELICIDADE DOS HUMILDES, DOS AFLITOS E DOS CALMOS

1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
Antes de pronunciar a primeira bem-aventurança, observa o evangelista Mateus, que Jesus "vê" a multidão (v.1). O "ver" aqui não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro. Uma importante observação que aparece na versão bíblica Corrigida é que Ele, "abrindo a boca, os ensinava" (v.2). Não se trata de uma redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio (Jo 8.6,7; 13.3-17).
Em seu ensino, o Mestre destaca, em primeiro lugar, que é bem-aventurado ou feliz, os "pobres de espírito", isto é, os humildes, pois "deles é o Reino dos céus" (v.3). Os pobres de espírito são aqueles que, por reconhecerem sua dependência de Deus, não se apoiam em méritos próprios e muito menos em alguma coisa que possuam. Justamente por isso, eles são felizes, pois confiam integralmente em Deus e vivem para Ele. Deles então é o Reino dos céus, uma vez que vivem, já aqui, àquilo que muitos só experimentarão no futuro: A alegria da plena comunhão com o Senhor Deus (Jo 15.11).

2. A bem-aventurança dos que choram.
Há vários tipos de choro e também de motivações para chorar; contudo, o Mestre refere-se a quem chora de aflição. Tal aflição não é de ordem puramente material, mas uma angústia por ter de enfrentar as vicissitudes de um mundo caído sem, contudo, tornar-se perverso tanto quanto os maldosos (Mt 10.16). Longe de ser um sinal de fraqueza, o choro do aflito traz a oportunidade de consolo: Um consolo que, promete-nos a Palavra de Deus, será de um privilégio sem precedentes, pois o próprio "Deus limpará de seus olhos toda lágrima" (Ap 21.4).

3. A bem-aventurança dos mansos.
Em tempos de disputa e de fervilhamento de grupos que se levantavam entre os judeus para reconquistar a soberania política, afirmar que felizes são os mansos, ou não-violentos, é um desafio. Exaltar a calma, a mansidão e a serenidade em um contexto belicoso representava uma afronta e até mesmo uma espécie de conformismo com a situação perante grupos radicais, como os zelotes, por exemplo (At 5.36,37). O Mestre, porém, não se importa com tal pensamento e reverbera o Salmo 37.11: "Mas os mansos herdarão a terra e se deleitarão na abundância de paz". A tão sonhada promessa de "posse da terra" não é uma conquista do braço, ou da força humana, mas uma posição reverente e calma por parte dos que creem que do "Senhor é a terra e toda a sua plenitude", sabendo que "fiel é o que prometeu" e Ele a dará aos que nEle confiam (Sl 24.1; Hb 10.23).

Pense
Diante de uma realidade como a nossa, em que se valoriza a ostentação, o pedantismo e tantas outras posturas altivas, como ser humilde, prezar o choro e demonstrar a serenidade e a calma?

Ponto Importante
Enxergar o mundo, e também enxergar-se, pela perspectiva do Reino, requer uma transformação da mente e do coração, destronando o nosso "eu" e concedendo o controle e o governo de nossa vida ao Rei dos reis e Senhor dos senhores.

II - A FELICIDADE DOS FAMINTOS E SEDENTOS DE JUSTIÇA, DOS MISERICORDIOSOS E DOS PUROS

1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça.
Das necessidades básicas, fome e sede são duas das principais. A ingestão de alimento é algo obrigatório e dela depende a sobrevivência. Ao dizer que "os que têm fome e sede de justiça" serão fartos ou saciados, Jesus não destaca qualquer espécie de "justiçamento", ou seja, "punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte", e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). O Mestre refere-se a um perfil de pessoa cujo desejo, vontade e aspiração pela justiça, tornaram-se parte de sua natureza. Essas pessoas não se comportam assim por querer "fazer tipo". Não se trata disso. Elas sentem a dor do próximo e não somente as suas, e tal percepção as levam a sentir "fome e sede de justiça", não como regras impostas, mas como sentimentos conscientes que fazem parte de sua natureza (Jr 31.33). Apesar de a satisfação plena dessas necessidades se dar apenas no futuro, na completude do Reino de Deus, é exequível, e recomendável, que se busque, tanto quanto possível, sua prática aqui e agora.

2. A bem-aventurança dos misericordiosos.
O tema da misericórdia sucede o da justiça com um propósito muito claro: Para que ninguém pense que ter "fome e sede de justiça" é algo que se confunde com tornar-se "justiceiro". Assim, exercer ou ter misericórdia é uma atitude benevolente (Mt 18.21-35; Ef 2.1-10). Vivendo em meio à opressão do Império Romano, era "comum" que os judeus tivessem ressentimentos. Tais sentimentos algumas vezes, encontravam-se entre eles mesmos. Um exemplo que ilustra o ponto é a antipatia dos judeus por seus pares que se tornavam publicanos (Mt 9.9-13). Enfim, em uma sociedade que cultua o revide, Jesus ensinou justamente o contrário, dizendo que felizes são os misericordiosos, pois eles serão tratados por Deus com a mesma benevolência com que trataram as pessoas que lhes ofenderam (Mt 18.35).

3. A bem-aventurança dos puros.
A sexta bem-aventurança atinge o âmago do ser humano e é um tema caro ao judeu, tanto do mundo do Antigo Testamento quanto do Novo. Cria-se que o coração era a sede dos desejos humanos, por isso, ao contrário da religiosidade que valoriza meramente o exterior e a aparência, Jesus chama a atenção para o fato inegável de que os limpos, ou puros, de coração verão a Deus. É consenso entre os estudiosos que, neste trecho, o Mestre alude o Salmo 24,3,4. A pergunta do Salmo procura responder a um questionamento que ultrapassa o cumprimento do ritual exigido pela Lei para que o sacerdote pudesse oficiar o culto no Templo (Lv 16.1-14). Para estar no "lugar santo", ou na "casa santa", não bastava cumprir a pureza ritualística que poderia ser feita de forma mecânica e exterior; antes era necessário ter as mãos puras e um coração limpo, qualidades que apenas o Senhor verdadeiramente contempla e conhece. Os limpos de coração, ainda que não estivessem conforme os padrões da religiosidade oficial, veriam a Deus. Portanto, mesmo sendo esquecidos pelas pessoas, eles são felizes.

Pense
É possível ter "fome e sede de justiça" e não se tornar um justiceiro?

Ponto Importante
Devido aos perigos que cercam as grandes virtudes, o Senhor Jesus fala da importância e da felicidade dos que almejam a justiça, ao mesmo tempo em que destaca o valor da misericórdia e da pureza de coração.

III - A FELICIDADE DOS PACIFICADORES, DOS PERSEGUIDOS E DOS CALUNIADOS

1. A bem-aventurança dos pacificadores.
Em um contexto conflitante e de golpes de Estado, exaltar a paz e dizer que os que a promovem são felizes, visto que serão chamados "filhos de Deus", é um desafio. Sobretudo, quando se estuda a passagem e se descobre que "paz" aqui não é, na acepção comum, unicamente "ausência de guerra", isto é, algo passivo. Paz significa muito mais que isso no conceito bíblico, pois fala de algo concreto, ativo, prático e que deve ser promovido. Os pacificadores promovem a igualdade, a inteireza e a unidade (Is 52.7 cf. Pv 6.16-19). Essa atividade recebe essa linda promessa devido à importância da paz para toda a sociedade. Em um ambiente que vive cheio de intrigas e "pequenas guerras", um pacificador tem um papel importante: Restabelecer a ordem e o equilíbrio entre as pessoas, gerando outro tipo de lugar, transformando radicalmente o meio (Hb 12.14; Pv 26.20).

2. A bem-aventurança dos perseguidos.
Uma vez mais o Senhor Jesus surpreende ao sublimar uma situação que, em condições "normais", todos rejeitam. É importante perceber que o sofrimento se dá em decorrência de a pessoa buscar fazer a vontade de Deus que é nada mais nada menos que a justiça. Ansiar por justiça, como já dissemos, sem, contudo, tornar-se justiceiro, sendo antes misericordioso, limpo de coração e promotor da paz, não pode resultar em outra coisa. A perseguição vem quase que automaticamente, pois o perseguido oferece ao mundo a oportunidade deste experimentar a paz, sem usar as ferramentas dos que oprimem em nome dela (Jr 6.13, 14; 1 Ts 5.3). Ser perseguido por causa da justiça significa viver, ainda que parcialmente, a glória do Reino, pois em um mundo onde reina a justiça segundo Deus, sem dúvida alguma, mesmo com perseguição, é infinitamente melhor que o mundo da falsa paz. A estes, ou seja, aos perseguidos, o Senhor pronuncia-lhes o mesmo que pronunciou aos pobres de espírito: Deles é o Reino dos céus.

3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados.
O Mestre chega ao ápice das bem-aventuranças com uma exaltação paradoxal: Felizes são os discípulos quando forem injuriados, perseguidos e caluniados por causa dEle (vv.11,12). Jesus diz que tal sofrimento é um privilégio, pois gerará uma grande recompensa ao mesmo tempo em que fará com que os discípulos se equiparem, e não apenas se identifiquem, com os profetas do Antigo Testamento (Jr 37.1-38.28). Uma vez que todos tinham os profetas em alta conta, dizer que tal situação os colocava no mesmo patamar era também uma forma de afirmar sua autoridade divina, pois os profetas no Antigo Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos. Se os discípulos sofrem por causa de Jesus e isso os equipara aos profetas, logo quer dizer também que eles sofrem por Deus.

Pense
Em tempos de disputa, intriga e desconfiança, como ser um pacificador e promotor da igualdade?

Ponto Importante
O sofrimento que produz recompensa e gera equiparação, não pode ser motivado por erros e intransigências dos discípulos do Senhor. Tal ensinamento foi tão bem apreendido, que é reverberado pelo apóstolo Pedro (1 Pe 4.12-16).

CONCLUSÃO
O início do Sermão do Monte, resumido nas bem-aventuranças, evidencia a diferença da atividade magisterial de Jesus em relação aos escribas, bem como denota a grande disparidade do conteúdo da mensagem do Evangelho em comparação com a exigência de memorização e o cumprimento de regras provenientes da religiosidade.

Hora da revisão.

Qual a diferença entre a ideologia e o Evangelho em termos de benefício?
Por mais justa que seja a ideologia, ela é boa para alguns, mas nunca para todos. Já o Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo.

Explique o que Mateus quis dizer com os atos de Jesus ver a multidão e abrir a boca para ensinar.
O "ver" não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro. De igual maneira, o "abria a boca" não se trata de uma redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio (Jo 8.6,7; 13.3-17).
O que significa ter "fome e sede de justiça"?Não se trata de "justiçamento", ou seja, "punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte", e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). O Mestre refere-se a um desejo, vontade e aspiração pela justiça, que torna-se parte da natureza da pessoa, fazendo com que esta sinta a dor do próximo e não somente as suas, e tal percepção a leva a sentir "fome e sede de justiça", não como regras impostas, mas como sentimentos conscientes que fazem parte de sua natureza (Jr 31.33).

Há algum propósito especial para Jesus ter ensinado sobre misericórdia logo após ter falado de justiça? Explique.
Para que ninguém pense que ter "fome e sede de justiça" é algo que se confunde com tornar-se "justiceiro".

Equiparar o sofrimento dos discípulos ao que sucedeu aos profetas no Antigo Testamento acabou por revelar algo da natureza de Jesus. O que é?
Uma vez que todos tinham os profetas em alta conta, dizer que tal situação os colocava no mesmo patamar, era também uma forma de afirmar sua deidade, pois os profetas no Antigo Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos.

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

ESCOLA DOMINICAL BETEL - Conteúdo da Lição 1 - Revista Betel

Resultado de imagem para revista betel 2º trimestre 2017
O chamado de um profeta
2 de abril de 2017


Texto Áureo
“Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta”. Jr 1.5

Verdade Aplicada
É preciso que primeiro reconheçamos avocação que nos é dada por Deus e, assim, cumprirmos a missão.

Textos de Referência.


Jeremias 1.4-8
4 Assim veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
5 Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e antes que saísses da madre, te santifiquei às nações te dei por profeta.
6 Então, disse eu: Ah! Senhor Jeová! Eis que não sei falar; porque sou uma criança.
7 Mas o Senhor me disse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar dirás.
8 Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor.

Introdução
Neste trimestre, estudaremos o livro do profeta Jeremias, cuja mensagem foi direcionada, inicialmente, ao reino de Judá, para que o povo se arrependesse dos seus pecados e voltasse a sua adoração ao Senhor.

1. Um profeta eleito por Deus.
Para eleger líderes, Deus se fundamenta na Sua soberania. A eleição de Jeremias como profeta é descrita por um chamamento do próprio Deus (Jr 1.5) A Bíblia corrobora que Deus levantou profetas para executar os Seus planos para a nação de Judá. Ele escolhe Jeremias, que a princípio tenta recusar o chamado.

1.1. A autoria do livro.
A atuação do ministério profético de Jeremias foi no Reino do Sul, Judá, durante os últimos quarenta anos de sua história (627-586 a.C). O livro de Jeremias estende-se desde o ano 13 do reinado do rei Josias (Jr 1.2), até a primeira parte do cativeiro da Babilônia, tendo o próprio Jeremias como principal personagem deste contexto. O autor do livro é Jeremias (Jr1.1) Ele mesmo registrou parte de suas profecias (Jr 36.1,3). Depois de profetizar durante anos em Judá, Jeremias foi comissionado por Deus a deixar a sua mensagem por escrito (Jr 36.2) Mais tarde, vai se valer do seu escriba, Baruque, para redigir suas palavras (Jr 36.4). Assim sendo, a autoria do livro de Jeremias é fato comprovado. A Bíblia nos informa que outras pessoas atribuem a autoria do livro de Jeremias: Daniel e Esdras (Dn 9.2; Ed 1.1).

1.2. As origens do profeta.
Jeremias era de uma linhagem sacerdotal. Era membro da família de Hilquias (Jr 1.1). Pela sua linhagem sacerdotal, ele poderia ter desempenhado sua ocupação sacerdotal, o que lhe traria diversos privilégios, além de segurança. Jeremias entendeu sua chamada, trocou todo o conforto do sacerdócio para deixar Deus usá-lo em sua missão. Sua cidade natal era Anatote, perto de Jerusalém e estava situada na terra de Benjamim, que foi dada aos filhos de Arão. Era uma aldeia a 5 km a nordeste de Jerusalém, na mesma região onde o sacerdote Abiatar foi exilado por Salomão.

1.3. O profeta não foge à luta.
A fidelidade de Jeremias nos ensina que devemos ser audaciosos no cumprimento de nossa missão no mundo. Este livro é muito prazeroso de se ler. Não se pode apreciar a História Antiga sem compreender a História do povo de Israel neste período. É neste contexto que Deus iria levantar um dos maiores profetas que a História teria conhecimento. É provável que Jeremias tenha dado início ao seu ministério profético em Anatote. Contudo, foi perseguido, almejaram mata-lo em sua própria terra, segundo Jeremias 12.6. Jeremias dará ênfase a um quesito indispensável qualquer povo: a de jamais abandonar os princípios de Deus. Ele profetizou durante cinco reinados distintos. Foram os seguintes monarcas: Josias, Jeoacaz, Jeoaquim, Joaquim e Zedequias.

2. Um profeta comprometido com Deus.
O profeta Jeremias viveu em um período que tinha como cenário político disputas por um território muito importante, conhecido como Crescente Fértil. Diante destas disputas, Jeremias se manteve fiel ao Deus de Israel, diferentemente dos líderes da nação, que estavam envolvidos em um grau de depravação moral sem fim (Jr 2.11).

2.1. O profeta da esperança.
Jeremias exerceu seu ministério profético em um dos momentos mais críticos da história do povo de Deus. Entretanto, Deus sabia que podia contar com ele. Deus tinha certeza que Jeremias enfrentaria a elite governante e os desejos pervertidos do povo de Judá sem se contaminar. Deus fez Jeremias saber que sua vida seria de sofrimentos e dor, mas era para ele não desanimar diante das adversidades (Jr 26.12-13).

2.2. Chamado em tempos de crise.
Como é difícil ser chamado por Deus quando a situação não está de acordo com a sua vontade. Crise após crise ia aproximando Judá a passos largos da destruição (Jr 2.5). As agitações políticas e religiosas se faziam presentes neste contexto histórico. O profeta Jeremias, em meio a toda esta turbulência, não se acovardou. O povo de Israel cometeu dois pecados (Jr 2.13). O primeiro, foi o abandono do Senhor. Segundo, foi cavar cisternas rotas, isto é cisternas que não retêm água.

2.3. Desafios da chamada no mundo contemporâneo.
Vivemos em um momento onde muito se é dito e escrito de ruim sobre esta geração de cristãos. Os líderes têm que ensinar nos púlpitos a esta geração de adoradores que a religião cristã hoje nos dá a liberdade de nos aproximarmos de Cristo sem intermediário (1Tm 2.5). Esta geração tem que ter consciência de que a sua busca pela verdade só terá fim quando aprenderem a desejar o Senhor de todo coração (Sl 37.4). É ter a certeza de que somente a sede por Deus nos satisfaz de verdade (Sl 42.2).

3. O profeta e a vontade de Deus.
Ao estudar o livro de Jeremias, notamos que Deus apresenta um determinado propósito para ele: ser profeta (Jr 1.5). Isto é, ser porta-voz de Deus para a nação de Israel.

3.1. Escutando a voz de Deus.
Tem momentos que precisamos nos calar para ouvirmos a voz de Deus. Ser profeta não é fácil. É escutar de Deus e transmitirão povo. Quando somos convocados e escolhidos por Deus, é necessário estarmos atentos à voz dEle. Deus fala de múltiplos modos (Jó 33.14). Pode ser durante um culto; através de uma criança; na meditação de um versículo. Não importa o meio, o importante é que Ele fale conosco. Quando Deus fala com alguém, é porque tem um propósito (Jr 1.5). Será que você está preparado para ouvir a voz de Deus?

3.2. Jeremias e seu encanto pela voz de Deus.
A maior prova de que conhecemos a voz de Deus é quando nos tornamos dependente dEle. As Escrituras afirmam que “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11.6). Existem momentos que as lutas são tantas que pensamos em nos calar. Com Jeremias não foi diferente. Ele pensou seriamente em se calar. Então, disse ele: “Não me lembrarei dele e não falarei mais no seu nome; mas isso foi no meu coração como fogo ardente, encerrado nos meus ossos; e estou fadigado de sofrer e não posso”. (Jr 20.9). No entanto, ele não conseguiu, pois já havia provado do amor do Mestre. Ele já havia descoberto que “a voz do Senhor faz tremer o deserto” (Sl 29.8).

3.3. Uma história de fé e perseverança.
O Senhor nunca se cansa de convidar pessoas ao Seu Reino (Mt 11.28). Em Sua casa sempre há lugar para mais um. Aquele que houve a voz do Senhor, nem que seja uma única vez, necessita alimentar esta chama interior. Paulo e Silas, por exemplo, mesmo na prisão, não deixaram de louvar ao Senhor (At 16.25). Seus corpos estavam presos, mas as suas almas estavam livres. Não deixe que outras vozes ocupem o lugar da voz do Eterno na sua vida. Jeremias perseverou na vocação que foi chamado, se tornando um grande homem de Deus. Jeremias foi dotado de uma mensagem profética e clara, seguiu o caminho traçado por Deus, perseverando até o fim de sua jornada.

Conclusão.
O profeta Jeremias foi levantado por Deus e anunciou o castigo que viria sobre o reino de Judá, caso o povo não se arrependesse. Jeremias foi açoitado, torturado, preso e até denunciado pelos próprios amigos. Entretanto, nada disso o fez desistir de sua chamada.

Questionário.

1. As profecias de Jeremias foram conduzidas a qual reino?

2. Quando Deus chamou a Jeremias, o rei Josias tinha quantos anos de reinado?

3. Quem é o autor do livro de Jeremias?

4. Quais foram os reis de Judá que presenciaram as profecias de Jeremias?

5. O que são cisternas rotas?

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

ESCOLA DOMINICAL CPAD - Conteúdo da Lição 1 - Revista da CPAD - ADULTOS

Resultado de imagem para revista CPAD 2º trimestre de 2017

A Formação do Caráter Cristão

2 de Abril de 2017



TEXTO ÁUREO
"Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim." Gl 5.20


VERDADE PRÁTICA
O homem nascido de novo tem o seu caráter transformado pelo Espírito Santo.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Efésios 4.17-24
17 - E digo isto e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade do seu sentido,
18 - entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus, pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração,
19 - os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para, com avidez, cometerem toda impureza.
20 - Mas vós não aprendestes assim a Cristo,
21 - se é que o tendes ouvido e nele fostes ensinados, como está a verdade em Jesus,
22 - que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano,
23 - e vos renoveis no espírito do vosso sentido,
24 - e vos revistais do novo homem, que, segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade.

HINOS SUGERIDOS: 5, 390, 432 da Harpa Cristã

INTRODUÇÃO
Neste trimestre, teremos a oportunidade ímpar de estudar a respeito do caráter. Todo ser humano tem caráter, seja ele bom, seja ele mau, exemplar, ímpio ou santo. Deus criou o homem bom e perfeito, mas o pecado maculou o seu caráter. Por isso, todos necessitam de uma transformação espiritual e moral. Veremos que somente o Deus de toda a perfeição, mediante o Filho, pode transformar o caráter de uma pessoa.

I - O CARÁTER NA REALIDADE DO HOMEM

1. O que é caráter?
Segundo o Dicionário Aurélio, caráter é "o conjunto das qualidades (boas ou más) de um indivíduo, e que lhe determinam a conduta e a concepção moral". O caráter é a característica responsável pela ação, reação e expressão máxima da personalidade. É a maneira de cada pessoa agir e expressar-se. Tem a ver com os princípios, valores e ética de cada um.

2. Personalidade e caráter.
A personalidade pode ser definida como sendo a qualidade do que é pessoal. Ela é a nossa maneira de ser, ou seja, aquilo que nos distingue de outra pessoa. O caráter não é herdado. Ele é construído mediante a formação que recebemos. Por isso, a Palavra de Deus adverte: "Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se esquecerá dele" (Pv 22.6).

II - A DEFORMAÇÃO DO CARÁTER HUMANO

1. A Queda e o caráter humano.
Deus fez o homem perfeito, em termos espirituais, morais e físicos. No ato divino da Criação, Ele disse: "Façamos o homem à nossa imagem" (Gn 1.26). Fomos criados à "imagem" e "semelhança" do Criador, logo não podemos nos esquecer que refletimos a glória divina. Se tivermos um caráter santo, Deus será louvado por intermédio de nossas ações.

2. Imagem e semelhança de Deus.
O homem era, no seu estado original, uma imagem, ou representação perfeita de Deus. Adão e Eva possuíam atributos morais tais como amor, justiça, santidade, retidão. Tudo à semelhança de Deus. Não resta dúvida de que, ao criar o homem à sua "imagem", e conforme a sua "semelhança", Deus imprimiu nele as marcas de sua personalidade santa, amorosa e justa.

3. A deformação do caráter humano.
O homem foi criado perfeito em toda a sua constituição: espírito, alma e corpo (1 Ts 5.23). Porém, quando o homem deu lugar ao Diabo, e desobedeceu a Deus, caiu da graça divina. A Queda levou-nos a perder a semelhança moral com o Criador. Observe as consequências do pecado:
a) No relacionamento com Deus. O pecado desfigurou o homem, cortando a ligação direta com seu Deus: "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Rm 3.23). O pecado passou a todos os homens (Rm 5.12; Sl 51.5). As repercussões e o alcance desse fato terrível, de natureza espiritual, têm sido sentidos ao longo da história. O pecado distanciou o homem de Deus e o levou a criar seus próprios deuses segundo suas malignas concupiscências, para agradar ao príncipe deste mundo. Toda religião que não tem Deus como o Criador, e Jesus Cristo, seu Filho, como Salvador, é instrumento do Diabo para afastar o homem de Deus.
b) No relacionamento humano. Quando Deus perguntou a Adão se ele havia comido do fruto da árvore proibida, este não assumiu a culpa, mas procurou justificar seu erro, acusando a esposa. Quando Deus questionou Eva a respeito dos seus atos, ela transferiu a culpa para a serpente (Gn 3.9-13). O relacionamento de Adão e Eva foi afetado pelo pecado, culpa e medo.
Não demorou muito, e ali, no Éden, houve um confronto entre o caráter mau, de Caim, e o caráter justo, de Abel. Caim matou seu irmão, Abel (Gn 4.8). Lameque matou um homem adulto e um jovem (Gn 4.23). A morte e a corrupção se espalharam com o passar dos séculos. O juízo de Deus foi enviado no seu tempo, através do Dilúvio (Gn 6-8).
c) No relacionamento com a natureza. "E tomou o SENHOR Deus o homem e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar" (Gn 2.15). Além de cuidar do jardim, o homem teria o domínio da Terra, com autoridade delegada pelo Criador sobre todos os animais (Gn 1.28). Mas, usando mal o seu livre-arbítrio, o ser humano fracassou em cuidar de si mesmo e do planeta. E tem poluído o ar, o solo, as águas e todo o ambiente natural. Mas Deus destruirá os que destroem a Terra (Ap 11.18).

III - A REDENÇÃO DO CARÁTER HUMANO

1. Novo nascimento, transformação do caráter.
Jesus veio ao mundo para salvar o homem da tragédia do pecado e aproximá-lo novamente de Deus (Jo 3.16). A salvação é um dom divino. Ela é fruto da graça divina. Pela fé em Jesus o homem recebe a salvação e se torna uma nova criatura, completamente transformada: "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo" (2 Co 5.17). O caráter daqueles que, pela fé, nasceram de novo, é poderosamente transformado pelo poder do Espírito Santo. 

2. A Palavra de Deus muda o caráter.
A salvação não é apenas uma mudança de religião, mas envolve regeneração (Jo 3.3,7), justificação (Rm 3.24; 5.1, 9; 1 Co 6.11) e santificação (Hb 12.14; 1 Ts 5.23). No processo de santificação, vamos sendo transformados pela Palavra de Deus. As Escrituras têm o poder de transformar o homem, pois somente elas podem penetrar em seu interior: "Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração" (Hb 4.12).

3. O caráter amoroso e santo do crente.
O cristão tem como uma de suas características principais o amor a Deus e ao próximo (Mt 22.34-40). Quem não ama não conhece a Deus, ainda não teve seu caráter transformado e está em trevas (1 Jo 2.9,11). Unida ao amor está à santificação, sem a qual ninguém poderá ver ao Senhor (Hb 12.14). Os que já experimentaram o novo nascimento devem viver de modo irrepreensível (1 Ts 5.23).

CONCLUSÃO
Nosso caráter reflete nossos princípios. Como novas criaturas, precisamos evidenciar os valores do Reino de Deus. O homem salvo e remido por Cristo Jesus tem as marcas do Salvador no seu ser e no seu comportamento.

QUESTIONÁRIO

Defina caráter.

Em termos espirituais e morais, como o homem e a mulher foram criados?

O que o homem perdeu ao pecar?

A salvação é por mérito humano ou é um dom de Deus?

O que acontece com nosso caráter quando aceitamos, pela fé, a Jesus como nosso Salvador?

SE VOCÊ QUER AJUDAR ESSA OBRA, ENTÃO CLIQUE NO ANÚNCIO ABAIXO! 

sábado, 25 de março de 2017

ESCOLA DOMINICAL CENTRAL GOSPEL ESBOÇO - Subsídio da Lição 13

EDITANDO

AULA EM___DE______DE 2017 – LIÇÃO 13
(Revista: Central Gospel - nº 49)

Tema: O PODER DA DECISÃO

Texto Áureo: 1 Co 10.31
 _________________________________________
 PALAVRA INTRODUTÓRIA
- Professor(a), nesta lição tente estimular os alunos a serem tomadores de decisões, para que não fujam na hora de escolher.
- “tomar decisões acertadas”, aquelas decisões que não trarão prejuízos futuros, que não nos levarão por caminhos de destruição, como ocorre com muitos ímpios.
- “vivendo segundo a vontade de Deus”, o Senhor não somente nos leva a tomar a decisão correta como também reverte muitas situações em que tomamos decisões erradas.
_______________________________________________
1. ALGUMAS RAZÕES PARA OS FRACASSOS NAS DECISÕES
- “não conseguem ir adiante”, param nos obstáculos, por não terem decidido corretamente, acabam desistindo de alguns projetos.

1.1. Seguir a opinião da maioria
- “Nem sempre a vontade da maioria é a melhor”, essa verdade é pouco seguida no mundo, para os políticos, por exemplo, o que a maioria decide está plenamente correto.
- “não tem propósitos ilícitos”, algumas vezes às opiniões da maioria é influenciada pelos meios de comunicação em massa, que transmitem o que lhes convém.

1.2. Basear-se numa vontade momentânea
- “sem fazer uso da razão”, a razão é a lógica consciente das atitudes, todos nós podemos pensar e tomar atitudes dentro de uma lógica e do que é o certo a fazer. Além da razão devemos submeter nossas decisões à vontade de Deus.

1.3. Ser indeciso
- “qualquer coisa serve”, baseado nisso, o indeciso demora a tomar uma decisão e assim perder um tempo precioso, pois uma boa decisão tomada fora de tempo para nada serve.

1.4. Transferir a responsabilidade para outrem
- “não sabem tomar decisões”, a vida é uma escola e desde pequeno os filhos começam na casa dos pais a prender certas coisas importantes como dividir, bom censo, respeito, etc. Uma dessas coisas é a tomada de decisões. Escolher a cor de uma roupa, o sabor de um sorvete, etc, são pequenas coisas que contribuem para o preparo de um futuro líder.

1.5. Achar que Deus deve decidir todas as coisas
- “pensam que Deus deve decidir tudo”, houve um tempo em que até o casamento os crentes deixavam para Deus decidir. Mas a maioria dos líderes entendem que as decisões está nas mãos dos crentes, Ele às vezes, alerta de consequências.

1.6. Fazer escolhas erradas
- “quase perdeu a vida”, no mínimo perdeu tempo, decisões erradas nos roubam tempo precioso.

1.7. Fugir das responsabilidades das decisões
- “nunca tomam a decisão”, se tornam simpatizantes do Evangelho, está cheio desses por aí.

1.7.1. Não querer ser responsável
- “medo de errar”, com isso a pessoa se torna derrotada antes da luta. Crentes que agem dessa forma não estão aptos a entrarem na obra de Deus.

1.7.2. Não querer correr riscos
 - “os mais medrosos”, são os que são chamados de covardes, pois se acovardam diante da possibilidades de derrota.

                                          EDITANDO