domingo, 26 de abril de 2015

INTERPRETAÇÃO BÍBLICA - Quatro coisas sábias



Vamos meditar nestes versículos:

“Estas quatro coisas são das menores da terra, porém bem providas de sabedoria: As formigas não são um povo forte; todavia no verão preparam a sua comida;
Os coelhos são um povo débil; e contudo, põem a sua casa na rocha; Os gafanhotos não têm rei; e contudo todos saem, e em bandos se repartem; A aranha se pendura com as mãos, e está nos palácios dos reis.” Provérbios 30:24-28

Para entender a mensagem que Salomão nos transmite nessa passagem de Provérbios precisamos dividi-la em quatro partes a fim de extrairmos a sabedoria que Salomão viu. 

Cada uma parte expressa a sabedoria observada nas atitudes de cada um desses animais mencionados. Salomão não quis dizer que o animal é sábio, mas ele observou mensagens sábias nas atitudes deles. Vejamos cada uma dessas mensagens:

1º) Salomão viu que as formigas não são fortes, mas ele observou que elas se preparam para o inverno, ou seja elas não desperdiçam seus recursos no tempo da bonança, mas guardam para o futuro. A sabedoria aqui é a “prevenção”, assim o crente deve estar prevenido para o tempo da adversidade.

2º) Salomão observou que os coelhos, apesar de sua debilidade constroem a casa na rocha, mostrando que eles tem “prudência”, e dessa forma os predadores não conseguirão destruir suas casas e famílias. Aí está mais um exemplo de sabedoria para o cristão, pois se Jesus é a Rocha eterna, então devemos ter nossa casa firmada Nele.

3º) Salomão também observou que os gafanhotos não tem um rei, ou seja não possui uma liderança, mas montam estratégias e executam, Salomão viu a “iniciativa” ele viu a “proatividade”, os gafanhotos já sabem o que fazer e não esperam que ninguém ordene. A proatividade é o grande diferencial entre os bons funcionários e os melhores. Cada homem de Deus já recebeu a sua missão e por isso já devem partir para a ação; e

4º) E por fim, ele notou que apesar da dificuldade de locomoção das aranhas, que se penduram com as mãos, elas estão nos palácios dos reis. Ele observou a “excelência”, ele ressaltou a qualidade de se buscar o melhor. Dessa forma aprendemos que é sábio fazer o melhor, não são dignos de menção honrosa aqueles que fazem as coisas mais ou menos, ou pela metade, ou somente o necessário para cumprir uma meta. Cada servo de Cristo deve buscar fazer o melhor.


Conclusão:

 A sabedoria que Salomão viu naqueles animais foram: prevenção, prudência, iniciativa e excelência. Cada um analise-se e aprenda com essas atitudes de animais tão insignificantes, mas com grandes exemplos de sabedoria.


Marcos André - Evangelista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários estão liberados, dessa forma o seu comentário será publicado direto no CLUBE DA TEOLOGIA.
Porém se ele for abusivo ou usar palavras de baixo calão será removido.